segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

O suor nas margens fluidas


Essa música eletrônica me confunde.
Não sei se são vozes da madrugada
inquieta ou da manhã estrangulada
roendo portas de minhas entranhas,

Ou são os rios da minha pele suada.
Com o suporte da melodia, ensaio
enredo amoroso com uma mulher
de coração metálico, olhos humanos,

à procura da eternidade, a dizer-me
que a sua carne é real. Ao perceber 
a fome, que enrijece meus músculos,
temperados, ágil, ela esconde de mim 

seu sexo de vidro, quando, no relógio 
dos meus olhos, já se liam os gritos 
de um cavalo selvagem rasgando 
o verão da nudez felina da fêmea.

                     (José Carlos Sant Anna) 

9 comentários:

  1. Amigo José Carlos achei muito bom este seu poema suor nas margens fluidas, poema que diz bem do seu talento; outros poemas seus, que li, tem a mesma marca do bom poeta. Parabéns.
    Grande abraço.
    Pedro.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, José Carlos, bota poeta bom nisso! É sempre um prazer ler teus incríveis poemas, cuja metáforas são bem colocadas e claras.

    Essa música eletrônica me confunde.
    Não sei se são vozes da madrugada
    inquieta ou da manhã estrangulada
    roendo portas de minhas entranhas,


    Beijo, querido poeta.

    ResponderExcluir
  3. Um excelente poema na capacidade expressiva com um
    equilíbrio dos significados linguísticos e imagética
    do Poeta José Carlos!...
    Uma boa semana no alto astral, amigo!
    Grata pela leitura sempre de qualidade literária aqui.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. E lá se vai o romantismo...
    Excelente, como sempre. Gostei imenso.
    José Carlos, continuação de boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Tem música electrónica... que é mesmo diabólica... para os nossos sentidos... e na grande maioria das vezes para os nossos ouvidos... mas você a descreveu com uma classe e elegância, José Carlos... que tantas vezes falta em música assim!...
    Adorei o poema! Um grande abraço!
    Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  6. Depois do incêndio da música logo havia de calhar uma pedra de vidro inquebrável. Inquebrantável?

    Poesia de boa casta
    Mesmo a casta
    é boa poesia

    Abraço, caro Poeta.

    ResponderExcluir
  7. até onde nos pode levar a música?!
    e o Poeta dissertou sobre o que imaginou (ou não) e com delicadeza debitou mais um belo poema.
    um pouco de sensualidade, numa estrofe.
    bom domingo
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  8. de música electrónica não sei que dizer e corações metálicos não sei que dizer.

    que serão inspiradores não tenho dúvidas! teu belo poema faz prova, provada!

    caloroso abraço, meu amigo

    ResponderExcluir
  9. Excelentes metáforas sublimando a poesia ao seu mais alto nível...
    Juntei-me aos seguidores...

    ResponderExcluir