domingo, 16 de julho de 2017

Beatriz - Parte dois



Voltei.
Sei que nada se perde, mas ainda há muito para se saber diante deste longe/perto, aqui, na praça, em frente aonde construí minha casa, como um joão-de-barro, de mãos dadas com a concavidade da sombra de uma árvore antes do amanhecer do dia para começar a faina do eito.
Se em outros tempos Nelson Rodrigues já fora um despojado da vida, agora, então, ele se mostra muito mais radical porque o seu tempo é o da ausência de tempo, não mais o da falta, de outros tempos, mas o do excesso e, como uma brisa, agora com muito mais disponibilidade para saborear os ossos do seu ofício de repórter, o que ele sempre foi e como gostava de sê-lo, assistindo, sem queixa, os espetáculos da rua que, para a sua alegria, não cansam de se repetir. Estava com uma pétala de punhal nas mãos, ansioso para sair da pasmaceira em que vivia.
Da minha varanda, eu não tinha dúvidas de que a posição dele no tronco da arvore, além de poder vislumbrar o vasto céu, de controlar a entrada e saída das aves nas árvores e o rumor suave da respiração de cada uma delas, a sua posição, ainda que de cócoras, era mais que perfeita, democrática. Se poderia dizer privilegiada para o exercício do que ele mais gostava de fazer: o da observação. Logo entrariam em cena todos os seus sentidos, na expectativa do advir e uma solidariedade amorosa. Expectante, aguardava. Como um degredado. E, na leve espessura do galho, estava intocável. E também invisível para alguns, pois nem todos têm a mesma mediunidade.
O velho repórter ainda sabia das coisas. E como as vozes femininas estavam cada vez mais próximas, como se estivesse diante de um soldado, sacramentei que ele estava ali para saborear aquelas presenças. 
Trajava-se de moderno, antenado e, ainda por cima, de laptop. Grande novidade para quem se habituara a escrever numa Remington, com dois dedos sobre o xadrez das teclas, catando milho, durante várias décadas, mas agora o fazia no laptop com uma desenvoltura fora do comum para quem era dos tempos de antanho como ele, batendo as mãos contra o peito, descontraidamente, gostava de se proclamar para os basbaques dos seus focas.
Bem equilibrado no tronco da árvore, acocorado, como já o disse, ele já começava a escrever as primeiras linhas de mais um episódio de A vida como ela é ou seria uma crônica para a sua coluna das segundas, depois da rodada do final de semana, cujo título era Meu personagem da semana?
O leitor pode respirar nostálgico, mas não creio que o será pelo futebol de Beatriz que mataremos saudades da pena de Nelson, embora, pelo que se ouvia da altercação com a outra moça, ela batesse um bolão. Era um Pelé (ou uma Pelé) de saia entre quatro paredes.
Pelo brilho do olhar de Nelson, ele estava certo de que o alimento não está, só, em cada um, por isso levaria uma página inesquecível para o outro lado onde passava agora os seus dias, quase sempre distraindo, com as suas histórias, com aqueles que se derramavam na roda dos bajuladores, quando ele me descobriu na varanda tomando aquela lufada de ar. 
Estou certo de que, a distância, parecia me dizer "A gente nunca tem certeza de nada na vida, basta olhar a história dessa moça". Mas eu diria que ele olhou para cima para ver o que estava acontecendo e, em ato contínuo, fez um aceno discreto para mim. Me senti lisonjeado com o gesto. Parecia, enquanto lutava por aquela madrugada, ter-me reconhecido. E parecia dizer-me ainda "é assim que nascem as minhas crônicas, não perco nada dessa vida que me dê uma boa história, mesmo estando no lugar onde estou", e riu a bandeiras despregadas, como se fazia no seu tempo.
Se você meu caro leitor, ainda "quer viver, para ver, vai ter que esperar por outro dia", pois, como disse Cassiano Ricardo, "foi para isto que se inventou o adiamento". Portanto, essa história continua. É só esperar o próximo capítulo.

(José Carlos Sant’Anna)




9 comentários:

  1. Ora viva, José Carlos!
    Há que tempos não lograva subir ao galho da tua árvore. Magnífica como sempre, seja inverno ou verão. Para tanto desfrutar basta nada fazer: é só seguir as linhas da imaginação.
    As moças mesmo a chegar... que bela vista nos foste arranjar, uma não sei a outra Beatriz. Foi por um triz que não desci do sonho ao chão raso da realidade.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. este teu modo de me entreter, estou por um triz....


    beijo,beijo

    ResponderExcluir
  3. ...e acompanhada de Chopin (sempre fantástico com seus Nocturnos), é lógico que retornarei, preciso ver onde vai dar isso, rss. E gostei de recordar Nelson Rodrigues com suas manias e sua escrita genial. Você diz para seguirmos...seguiremos!
    Bjs, boa semana!

    ResponderExcluir
  4. Não há nada mais agradável, quando estamos a ler um texto, do que quase conseguir visualizar o que se está a ler. E isso acontece-me com o que você escreve, meu caro amigo. Você é um homem da "grande prosa".
    Uma boa semana.
    Um beijp

    ResponderExcluir
  5. uma maneira sui-generis de escrever que me deixa maravilhada...
    claro que voltarei para seguir as suas palavras
    bom final de semana.
    beijinhos
    :)
    (aprendo sempre tanto quando aqui venho ... )

    ResponderExcluir
  6. Já ansiando pelo próximo capítulo...
    Como sempre, um texto admirável, com uma riqueza de conteúdo... que facilmente nos faz aderir à pele do personagem, como um todo... melhor a compreendendo... e interiorizando!...
    Um trabalho de mestre, José Carlos!
    Deixando um beijinho e votos de um excelente fim de semana!
    Neste momento, com uma pessoa de família meio adoentada... tentarei apreciar os seus restantes posts, que me escaparam mais recentemente, tão breve quanto possível...
    Ana

    ResponderExcluir
  7. Não seria melhor ter publicado toda a história?
    Assim vamos ficando suspensos, tal como o nosso Nelson Rodrigues, ainda que sem o risco de queda do galho...
    Fico à espera do resto desta magnífica narrativa/história.
    Caro José Carlos, um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Nada como bem observar para bem escrever!
    (Voltarei para ler o seguinte.)
    Boa semana!

    ResponderExcluir
  9. Excelente, você realmente é uma artesão das palavras; consegue colocar sentimentos, sensações, sempre de maneira maravilhosa.
    A música está perfeita.
    Continuarei te lendo...
    Boa semana!
    Abraços!

    ResponderExcluir